Bichectomia, a cirurgia plástica pouco invasiva que afina o rosto

A beleza do rosto é facilmente observada sem precisar de um olhar mais aguçado. Só de ver, é possível identificar as formas, contornos e nuances que fazem de cada pessoa única e especial. Mas nem todas as pessoas estão satisfeitas com a forma do seu rosto. Isto porque ele é composto de diversas estruturas, músculos e compartimentos de gordura, sendo que um deles que se estende por quase toda a superfície lateral, desde a têmpora até a mandíbula. Bochechas proeminentes podem criar insatisfação e diminuição da autoestima, afetando consideravelmente o bem-estar pessoal e prejudicando interações sociais. Mas existe uma solução, e ela se chama bichectomia.

O que é bichectomia

A bichectomia é uma cirurgia plástica pouco invasiva que serve para amenizar a forma das bochechas, afinando-as e ajudando a construir uma aparência mais fina e, consequentemente, mais jovial para o rosto da paciente. O nome é derivado da Bola ou Bolsa de Bichat, homenagem ao anatomista francês que primeiro descreveu este compartimento de gordura no rosto.

Mas engana-se quem pensa que a bichectomia é um procedimento puramente estético. Em muitos casos, o desenvolvimento exagerado das bochechas acaba por causar desconforto físico em pacientes, como morder constantemente a própria bochecha durante o ato de mastigação. Por ter também fins mais práticos, é recomendado que a cirurgia de bichectomia só seja realizada por pessoas acima de 18 anos, pois nesta idade, o desenvolvimento da região da face estará completo. Além disso, é importante ressaltar: a proeminência das bochechas não tem relação alguma com o peso corporal, ou seja, ela não indica um caso de obesidade, mesmo que moderada.

Como é o procedimento

O primeiro passo é procurar um cirurgião plástico competente e habilitado, que seja devidamente credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), pois somente um bom profissional saberá dar o diagnóstico e orientar a paciente quanto às vantagens de uma operação. No dia do procedimento, é realizada uma anestesia local, para que o cirurgião possa realizar uma incisão na cavidade oral a fim de alcançar o compartimento de gordura, que fica localizado abaixo de estruturas nobres da região facial.

A importância de escolher um bom profissional está no fato de que a região fica muito próxima ao óstio do ducto parotídeo (por onde a saliva chega até a boca) e também aos ramos bucais do nervo facial, responsáveis pela movimentação da musculatura bucal. Ou seja, o risco de complicações aumenta exponencialmente de acordo com a competência e segurança do seu cirurgião. O fechamento das incisões é feito com pontos, que cairão sem a necessidade de uma consulta especial no pós-operatório.

Falando em pós-operatório, este costuma ser curto e pouco dolorido. Especialmente nos primeiros dias, é fundamental evitar a ingestão de alimentos sólidos para evitar o desgaste da região; e, nos primeiros dias, é recomendado dar preferência a alimentos gelados. Outros alimentos que devem ser evitados são aqueles que contêm resíduos como farelos e grãos, pois eles podem ficar acumulados no local dos pontos, gerando inflamações e infecções.

Nos primeiros dias, a paciente receberá uma medicação especial, além de orientações para aplicar gelo no local, a fim de evitar o inchaço, e também evitar se expor à luz solar, para que a região operada tenha o tempo e as condições necessárias para se recuperar.

É possível perceber a evolução do procedimento nas primeiras três semanas, embora o resultado final seja alcançado após alguns meses.

 Recomendações importantes

Antes de submeter a qualquer cirurgia plástica, seja para fins estéticos ou de saúde, pesquise sobre o cirurgião escolhido e, ao iniciar o processo que culminará com a intervenção cirúrgica, não omita nenhuma informação sobre seu histórico médico, além de elucidar todas as dúvidas sobre os riscos e o alcance do procedimento. Acesse e conheça os passos para uma cirurgia plástica segura.

Outras Notícias