Mitos e verdades sobre implantes de silicone

O Brasil é um dos países que mais realiza cirurgias estéticas no mundo. Isto porque o bem-estar com a própria aparência influencia positivamente a autoestima e, consequentemente, a qualidade de vida das pessoas. Corrigir imperfeições, melhorar o aspecto de determinada parte do corpo, tudo isso coloca o nosso país no segundo lugar no número de procedimentos ano após ano. E um dos tratamentos mais requisitados é a mamoplastia de aumento, popularmente conhecida como implante de silicone. Mas, como toda cirurgia plástica, existem mitos que fazem a cabeça das pessoas, principalmente pelo desconhecimento da evolução das técnicas de medicina nos últimos anos, que possibilita a realização de procedimentos com muito mais segurança e qualidade no resultado final.

Mitos e verdades

Como toda cirurgia plástica, a mamoplastia de aumento é cercada de mitos e tabus, questões que muitas vezes acabam se tornando verdade pela falta de explicação. Mas aqui, vamos esclarecer algumas delas:

É preciso ter pelo menos 18 anos para realizar um implante?

Não necessariamente. Aqui, a idade não é o pré-requisito principal, já que cada mulher apresenta seu próprio ritmo de desenvolvimento. O recomendado pelos médicos é que um implante de silicone seja feito somente após o desenvolvimento completo da mama da paciente, que geralmente acontece entre os 16 e 17 anos. Mas a palavra final que autoriza ou não o procedimento é sempre feita pelo médico, em uma avaliação clínica.

A prótese pode vazar ou romper?

Os implantes mamários evoluíram muito nos últimos anos, e são hoje mais resistentes às manipulações diárias que a paciente terá em seu dia a dia. Claro que em casos externos, como acidentes automobilísticos ou quedas de locais muito altos, existe o risco do implante se romper. Além disso, com o passar do tempo o material se desgasta naturalmente. Isso ocasiona algumas microfissuras que enfraquecem a membrana que encobre o implante. Isto, porém, é facilmente perceptível em exames de rotina realizados com o cirurgião que realizou o procedimento.

Existe um prazo para trocar as próteses?

Nenhuma prótese de silicone é vitalícia. Modelos mais antigos duravam até 10 anos, já os modelos atuais, mais modernos, tem vida útil em torno de 15 a 20 anos. O ideal mesmo é averiguar a situação do implante com um ultrassom, após 10 anos da realização da cirurgia, para acompanhar o seu comportamento no organismo da paciente.

A prótese pode prejudicar durante uma mamografia?

Os mamógrafos também evoluíram muito com o passar dos anos, e hoje, mesmo com a presença de implantes, é possível detectar lesões na mama sem problemas. Mas, claro, o ideal é que além da mamografia, sejam feitos outros exames complementares, como o ultrassom.

Mulheres com implantes têm mais risco de desenvolver câncer?

Não existem estudos que relacionem a presença de implantes com o aumento do risco de desenvolver um câncer, logo, implantes não tem relação direta ou indireta com o surgimento da doença.

Implantes prejudicam a amamentação?

Não, pois o implante é posicionado atrás da glândula mamária (prótese subglandular) ou do músculo peitoral (submuscular). Já em casos de próteses muito grandes, pode existir uma redução na capacidade de amamentação.

Procedimento seguro, resultado satisfatório

Como vimos, a mamoplastia de aumento é um procedimento que tem se tornado muito mais seguro ano após ano, graças a modernização das técnicas utilizadas, dos próprios implantes e, especialmente, da qualificação e especialização dos cirurgiões plásticos. É muito importante que você procure um profissional que seja licenciado pelo Conselho Regional de Medicina (CRM) e que faça parte da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP, clique aqui e tenha acesso aos cirurgiões cadastrados). E se você quiser saber mais informações sobre a mamoplastia de aumento, pode encontrar uma descrição completa do tratamento, como é o procedimento, qual o tempo de recuperação, entre outros, clicando aqui.

Outras Notícias